CFC solicita mais estabilidade e agilidade de resposta dos ambientes virtuais da RFB

Durante a participação do secretário Especial da Receita Federal do Brasil (RFB), José Barroso Tostes Neto, na reunião Plenária do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), realizada na manhã desta quinta-feira (18), o presidente da entidade, Zulmir Breda, solicitou ao dirigente da RFB mais estabilidade e agilidade de resposta dos ambientes virtuais da Receita Federal. De acordo com Zulmir, essa tem sido a principal reivindicação feita pela classe contábil ao CFC. 

Para o presidente Zulmir, quanto mais serviços são disponibilizados dentro dos ambientes eletrônicos da RFB, maiores são as dificuldades de acesso à plataforma. “Nós temos constatado uma fila virtual de espera para a entrega de obrigações acessórias que não consegue ser atendida pelos sistemas. A situação é preocupante, pois os atrasos geram multas que estão previstas em lei”, afirmou o presidente.

O presidente Zulmir alertou ainda para o fato de que, embora os sistemas identifiquem as instabilidades, o profissional não tem alternativa que solucione tais problemas. Ele também ressaltou que as falhas acontecem, principalmente, próximos aos prazos de entrega das obrigações acessórias, o que têm impactado sobremaneira o trabalho dos contadores. “Nós tivemos, no início do mês de novembro, uma grande dificuldade de cumprimento de prazo em relação à DCTFWEB. Nós temos quase 80 mil organizações contábeis no Brasil que respondem por 20 milhões de empresas e quase todas têm que acessar o ambiente virtual da Receita Federal para poder cumprir as obrigações tributárias”, concluiu.

O secretário Tostes ouviu a reivindicação e atribuiu as falhas a problemas de infraestrutura dos sistemas e usos indevidos de robôs.

“Esse problema comporta várias dimensões. A primeira está ligada à infraestrutura e, nós, já estamos em contato com o SERPRO, e com empresas de TI, na busca de soluções que nos permitam assegurar qualidade e, sobretudo, estabilidade no acesso.  Porém, temos enfrentado dificuldades de outra natureza, que não somente a infraestrutura, como, por exemplo, a utilização de robôs por parte daqueles que acessam os serviços da Receita potencializando esse congestionamento”, ponderou.

O secretário destacou ainda outro fator que tem contribuído para a sobrecarga dos sistemas: os crimes cibernéticos. “Nós temos um monitoramento instantâneo da plataforma. E rotineiramente sofremos tentativas de ataques virtuais, oriundos de diversas partes do mundo, que tentam rackear os nossos bancos de dados, as nossas informações. Por isso, e pelos mecanismos de segurança que nós temos que recorrer para evitar tais problemas, os congestionamentos acabam acontecendo”, disse.

O presidente Zulmir voltou a dizer que o CFC está à disposição da RFB para discutir o tema e recebeu como resposta a confirmação da participação da entidade no grupo de trabalho que será criado exclusivamente para discutir esses problemas do sistema.

“Eu posso assegurar que o CFC será parte integrante desse grupo de trabalho que vai discutir tais problemas e propor medidas para corrigir essas falhas”, finalizou o secretário. 

Por: Luciana Melo Costa com informações de Rafaella Feliciano
Comunicação CFC

Fonte: cfc.org.br